Home » Síndrome

Síndrome de Asperger

Albert Einstein, Bill Gates, Isaac Newton, Van Gogh…a Síndrome de Asperger é associada, não por acaso, a grandes "prodígios" da humanidade.

Menino estudando

“Pequenos gênios”: assim são consideradas as crianças que possuem a Síndrome de Asperger (em sua maioria, meninos). Com manifestação de interesse tendencioso pela área das Exatas e facilidade acima do normal para memorizar grandes proporções de dados de uma só vez, este transtorno frequentemente faz com que seus portadores ganhem destaque por seu desenvolvimento intelectual - tanto que o psiquiatra Hans Asperger, a quem o nome da síndrome homenageia, costumava considerá-los “professores”.

Tal vantagem, porém, possui compensações não tão positivas. Estas pessoas também podem, infelizmente, receber o rótulo desagradável de “estranhas”, devido à sua pouca necessidade de interação.

O que é a Síndrome de Asperger?

Menino com bola

Sendo a Síndrome de Asperger uma espécie leve de Autismo, sua ocorrência apresenta prejuízos no funcionamento de áreas do cérebro relacionadas à socialização e ao reconhecimento de sentimentos. Por isso, quem a possui tem certa dificuldade em captar emoções através de expressões faciais e conversar com pessoas da mesma idade, por exemplo.

Por outro lado, a capacidade de concentração é extremamente favorecida, permitindo que um assunto que pareça interessante seja (muito bem) estudado durante longos períodos de tempo.

Sintomas da Síndrome de Asperger

Entre as características do transtorno, também estão a pouca coordenação motora e a dificuldade de compreender regras de comportamento e duplos sentidos da linguagem, interpretando tudo literalmente.

Menina tímida

A rotina na vida de quem possui Asperger é sempre apreciada, pois mudanças são extremamente incômodas. É frequente, também, que sejam utilizadas palavras extremamente formais em situações casuais, devido ao vocabulário vasto e à falta de adequação aos contextos sociais.

Síndrome de Asperger tem cura?

Por ser um problema de origem desconhecida, a síndrome não possui cura. O tratamento psiquiátrico, no entanto, possui grandes resultados no quadro dos pacientes, auxiliando-os a levar uma vida normal.

É essencial que o diagnóstico seja realizado o mais rápido possível, preferencialmente até os 7 anos de idade. Assim, as dificuldades serão, aos poucos, superadas - e as habilidades extras, é claro, trabalhadas em todo o seu potencial.

Para saber mais, confira outras informações na reportagem a seguir.

Publicado por Luane
Revisado em 08/09/2017

Compartilhar

Comentar com Facebook

Receba novidades

Comentar